rio

rio

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MEU CAMINHO (POESIA DA NECA MACHADO)

 

"MEU CAMINHO, ENTRE CONTINENTES..."

(Neca Machado)

BIOGRAFIA

(NECA MACHADO ESTÁ APOSENTADA E MORA NA EUROPA)


Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta, Folclorista, Contadora de Estórias, que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017, 2018 e 2019. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 25 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, 2018 e 2019. Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora na obra “A vida em Poesia 3”, 2018, coautora na obra “a vida em poesia 4” (14.09.Lisboa-2019) coautora na obra lançada em Genebra- Faz de Conto (Make believe) bilíngue, português e inglês, 2018, coautora na obra lançada em Zurique “Tributo ao Sertão-2018”, coautora na obra lusófona (Além da terra, além do céu, lançamento em São Paulo- 2018) co autora na obra lusa – Liberdade-editora Chiado-2019, co autora na obra lusa Poem’art, Porto-2019. Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 30 blogs na web, 26 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)

Email: nmmac@live.com

 

 

 

 

 

Meu caminho, EU que traço,

Sem curvas, nem tropeços,

Sem medo, só com coragem

Com olhos erguidos e altivos....

 

Meu caminho sou EU QUE TRAÇO,

Lembranças por onde andei,

Memorias, feito compasso

Desenhos, que EU criei.

 

Saudades que não sucumbi,

Dores que não senti,

Cicatrizes que apaguei,

Boas Lembranças, que imortalizei,

 

Atravessei rios e mares,

Senti ventos diferentes,

Tempestades, frios polares....

Vivi quatro estações

Colhi flores, vivi amores,

Meu CAMINHO, EU QUE TRAÇO!

 

Tiro pedras, folhas mortas,

Tiro o medo, sombras que aparecem

Obstáculos, escuridão,

Meu CAMINHO, EU QUE TRAÇO,

Na palma da minha mão,

Num mapa, meu coração.

 

 

 

“Meu caminho EU QUE TRAÇO,

Com metas de emoção,

Com ruas feitas no espaço

No meio da imensidão,

Entre Continentes, passo,

No compasso, da paixão.”

 

 

 

 

 

 

 

sábado, 14 de novembro de 2020

5º FESTIVAL DE POESIA DE LISBOA 2020, (NECA MACHADO É CO AUTORA NA OBRA)

POESIA "EXISTÊNCIA" 5º FESTIVAL DE POESIA DE LISBOA 2020

 

Existência - POESIA (5º Festival de Poesia de Lisboa 2020)




 Neca Machado (CO AUTORA NA OBRA)

5º FESTIVAL DE POESIA DE LISBOA

(AMAZÔNIA)




 

 Sinto me VIVA, com o frescor de uma flor,

 Com o dançar das ondas,

 no mar revolto em dia de tempestades,

Sinto me VIVA,

 com as revoadas de pássaros que bailam sobre telhados,

 Com o fogo inebriante de um dia de verão em fim de tarde,

 rasgando o céu,

 Sinto me viva

 ao sorrir sem motivo de alguma lembrança,

 E EXISTO, reexisto,

 a cada manhã quando abro meus olhos a fitar a VIDA.

 Sou parte deste bioma, entranhado no meio do mundo,

 a AMAZÔNIA Verdejada pelo encanto das florestas,

 Abençoada por Deuses imaginários,

 Banhada com água benta, de poço cavado a profundidade,

 Perfumada com cheiro de mato,

 E eternizada por sabores exóticos

 que nunca serão substituídos em nenhum outro lugar.

 Mulher afro, despida de medo, vestida de CORAGEM.

Sou a Existência viva

orgulhosamente de parte da AMAZONIA.

NECA MACHADO DE VOLTA PARA MORAR NA EUROPA, DETERMINAÇÃO E FÉ (GRACAS A DEUS)

APAGÃO NO AMAPÁ (UMA VERGONHA MUNDIAL)

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

LAC CAROUGE (FRANÇA)

POESIA DA NECA MACHADO (MARIA SUNSET)

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL) Poesia da Neca Machado

 MARIA SUNSET (POR DO SOL)



(NECA MACHADO, ESTÁ APOSENTADA E MORA NA EUROPA)

(Neca Machado)

 

BIOGRAFIA

Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta, Folclorista, Contadora de Estórias, que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017, 2018 e 2019. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 28 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, 2018, 2019 e 2020. Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora na obra “A vida em Poesia 3”, 2018, coautora na obra “a vida em poesia 4” (14.09.Lisboa-2019) coautora na obra lançada em Genebra- Faz de Conto (Make believe) bilíngue, português e inglês, 2018, coautora na obra lançada em Zurique “Tributo ao Sertão-2018”, coautora na obra lusófona (Além da terra, além do céu, lançamento em São Paulo- 2018) co autora na obra lusa – Liberdade-editora Chiado-2019, co autora na obra lusa Poem’art, Porto-2019. Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 30 blogs na web, 26 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)

Email: nmmac@live.com

 

 

 

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

 

Debruço me sobre o Luar

Vestida de estrelas,

Trago na pele o dourado do Sol do equador

Meio do Mundo.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

 

Meu rosto brilha a esperança

E minhas nuvens de fogo

Matizam o entardecer.

Meus lábios sussurram paixão.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

Sunset caboco

Parida no meio do mato

Banhada de perfumes silvestres,

Encantada pela magia da floresta.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

Meus pés descalços

Traduzem a sina de uma Mulher guerreira

Benzida com ramos de aurora

E nos meus cabelos emaranhados de africanidade

O vento nortista se embala.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

Meu seio pulsa o desejo

De caminhar

De voar,

De desbravar continentes

E meus lábios sorriem de felicidade

Nas pontes que construo

No pensamento.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

 

Luz natural

Frescor boreal

Tempestade e calmaria

Surreal.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

Adormeço como a luz solar

Que se aconchega no horizonte

Fazendo seu leito nas trevas das nuvens

E tendo o voo de pássaros livres

A lhe desejar boa noite.

 

MARIA SUNSET (POR DO SOL)

 

 

domingo, 8 de novembro de 2020

NECA MACHADO (BOM DIA DA EUROPA )Fernando Ferreira - Pele (Vídeo Oficial)

“REVOLTA DE UM PENIS PEQUENO”

 

“REVOLTA DE UM PENIS PEQUENO”

(Neca Machado)

BIOGRAFIA

 

(Neca Machado está aposentada e mora na Europa)

Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta, Folclorista, Contadora de Estórias, que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017, 2018 e 2019. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 28 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, 2018, 2019, 2020. Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora na obra “A vida em Poesia 3”, 2018, coautora na obra “a vida em poesia 4” (14.09.Lisboa-2019) coautora na obra lançada em Genebra- Faz de Conto (Make believe) bilíngue, português e inglês, 2018, coautora na obra lançada em Zurique “Tributo ao Sertão-2018”, coautora na obra lusófona (Além da terra, além do céu, lançamento em São Paulo- 2018) co autora na obra lusa – Liberdade-editora Chiado-2019, co autora na obra lusa Poem’art, Porto-2019. Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 30 blogs na web, 26 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)

Email: nmmac@live.com

 

                “REVOLTA DE UM PENIS PEQUENO”

 

            Esta semana (11.2020) voltou a ser representado em Portugal, em Lisboa uma das peças teatrais mais emblemáticas da autora norte americana Eve Ensler, denominado de “Monólogos da Vagina” é um espetáculo teatral que já recebeu diversas adaptações, e é composto por pequenos textos onde aborda temas referentes a experiencia feminina, dentro de uma temática diversificada passando pela prostituição, amor, violação, mutilação genital feminina, muito abrangente, além da masturbação dentre eles.

 

E aí, me peguei revirando a memória ao lembrar de um dialogo entre duas Prostitutas velhas, tema do meu Livro a ser lançado em 2021 na Europa, que revoltadas falavam de um Cliente insuportável que TINHA UM PENIS PEQUENO.

 

          No velho Cabaré lá pras bandas do Oiapoque, município no extremo da Amazônia, fronteira com a Guiana Francesa, a Velha Prostituta disse que quase morreu do coração, ao se despir ao lado do tal cliente, “velho insuportável, cheirando a pinga barata, suado do trabalho no garimpo, com pouco ouro, mas arrogante...”

E continuou:

Pensa que eu era tonta.

Queria a todo custo gozar, mas cadê a porra do Pinto? Parece que sumiu. Nem fazia coceira na shana.

E a outra ria se pelos cotovelos.

A Velha continuou:

O desgraçado me culpava a todo momento porque não tinha gozado, e eu ainda tentei argumentar, estou aqui, fiz minha obrigação, não tenho culpa se você é pequeno.

Continuou:

Porra, a culpa não é minha, dá outra vez trás um vibrador.

 

E aí: me deu vontade de fazer monólogos sobre PINTOS PEQUENOS, imaginem o tema, e o quanto de texto irei criar, tem separações por causa do tamanho do pobre do órgão masculino, tem brigas, mortes, doenças, depressões....

Enfim:

Sou escritora e com mente fértil para o tema.