rio

rio

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

CRONICAS ( LEMBRANÇAS AMARGAS DE PUTAS VELHAS"


PUTAS VELHAS -MEMÓRIAS

CRONICAS DA NECA MACHADO



REVOLTA DE UMA PUTA POBRE!

(Mulheres que se VALORIZAM, não gostam de chocolate, nem de flores, gostam de diamantes... Puta)



BIOGRAFIA

Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 10 obras lançadas em Portugal em 2016 e 2017, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)

*LEMBRANÇAS....

"A forma como defino o luxo não é o tecido ou a fibra ou a quantidade de detalhes em ouro na peça... Essa é uma definição antiga. Para mim, luxo tem a ver com agradar a si mesmo e não se vestir para os outros".(Marc Jacobs
        

  Sentada na antessala do Instituto de Oncologia onde foi levada por   “pena “ de um cliente que a ajudou a tirar seu título de residente na Europa, ELA (   ) talvez, nem se lamentasse do que viveu ou passou, estava na Europa, sonho de consumo da maioria das Prostitutas jovens do mundo todo, ficou por lá mais de 10 anos, enfrentando muito frio e hostilidades, e ela, agora tinha até o Cartão do Utente, sim, abriu um belo sorriso, era seu plano de saúde gratuito no exterior, o governo permitiu através de uma Lei que os portadores de câncer, tivessem direito a tratamento sem pagar nada, e ela se orgulhou, não teria que ser humilhada na fila do SUS, e nem teria que partir para a briga com outras companheiras por apenas uma consulta, sem remédios, NAS MADRUGADAS INSEGURAS, da “merda de onde nasceu, repetia REVOLTADA.”

E ELA (  ) ainda adquiriu alguns hábitos da Europa, mesmo no câncer, não se abateria, continuaria a ter o nariz empinado, e dizia: na Europa é obrigação “ser arrogante” e fez um leve sinal com a boca, de pura satisfação apesar da morte na porta, vou morrer na Europa, podes crer!



Cutucou a prostituta do lado – “Bicha te comporta” aqui eles olham tudo, e tu sabes, nós já somos a diferença, riu entre um sorriso amarelo e a ansiedade de saber como estavam suas plaquetas, e olha que já tinha visto a maioria ir embora; quando começou o tratamento tinham várias ao seu lado, agora eram somente as duas, e amanhã outras viriam “contaminadas”, para apenas protelar um pouquinho, porque, repetia: “câncer é sentença de morte, não chora.”

Tentava segurar as lagrimas...

E para não perder o costume de falar da vida dos outros, apontou o dedo mindinho para o outro lado e disse: “está vendo aquela ali, o cabelo já caiu, tá de peruca...”
E lembrou:

DAS RUAS MAIS CARAS DO MUNDO, QUE CONHECEU, SOMENTE DO LADO DE FORA.... NUNCA ENTROU, NÃO TINHA DINHEIRO.

“Bicha quando cheguei aqui, quase enlouqueci.
Meu pé nem cabia num salto alto que comprei numa loja de segunda mão, mas, forcei tanto que ele cedeu, riu de novo.
Sempre amei passar nas ruas mais caras, e olha, que conheci, meio mundo.

PARIS

Em PARIS, há PARIS, fui milhares de vezes a Champs Elysées, e me vesti de “verdadeiro luxo”, segurei as bolsas mais caras, usei os melhores diamantes, calcei os sapatos mais sofisticados, e os casacos? Há os casacos, eu aprendi a combinar, bota, bolsa e casaco, UI! E ainda tinha os perfumes, sempre que eu passava em uma loja, tinha um vendedor sorrindo sarcasticamente, e me passava um pouquinho na mão, nunca tive realmente um dinheiro para comprar um vidro inteiro, mas aprendi a ir as lojas para me perfumar de graça, eles dão um pouquinho.
 E um dia de tanto sonhar no banco da praça, que quase morri de frio, e um segurança até pensou em me levar para dentro de uma loja da PRADA, mas, como não podia, lá voltei de metro para a espelunca que morava.

          Bicha tu tens que falar um pouquinho de inglês, francês, italiano, esquece o português por favor, aqui até faxineiro fala inglês.
“Um estudo feito pela Cushman & Wakefield, chamado Main Street Across the World, revelou que a rua mais cara este ano é nenhuma outra senão a 5th Avenue, uma das mais famosas avenidas da Big Apple. “



QUINTA AVENIDA- 5TH AVENUE – BIG APPLE

          Um dia sai com um caminhoneiro norte americano, e perguntei qual a rua mais cara de lá e ele me disse: 5ª AVENIDA.

Fifth Avenue ou 5th Avenue (em português5ª Avenida) é uma avenida extremamente movimentada de Manhattan, em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América. Vai desde a rua Norte da praça Washington Square Park/Waverly Place(6th Street)em Midtown até a 143rd Street/Harlen River Drive, Harlem e devido às propriedades caras de particulares e mansões históricas que possui em toda a sua extensão, é um símbolo de riqueza de Nova Iorque. É uma das melhores ruas para fazer compras no mundo, e também uma das mais caras ruas do mundo. Foi fundada por Joseph Winston Herbert Hopkins, e é a avenida que divide as ruas do leste e do oeste de Manhattan, bem como o ponto número zero para os números das ruas (que aumentam em ambas as direções quando se afasta da Fifth Avenue).


E EU voltei a sonhar, “bicha sonho não tem preço.”

Eu posso sonhar.
No sonho EU POSSO TUDO.
Estou na 5ª Avenida, sentindo o cheiro da APPLE, e gastando em dólares.

“MULHERES QUE SE PREZAM, NÃO GOSTAM DE FLORES, NEM DE CHOCOLATES.
GOSTAM DE DIAMANTES...” ( revolta de uma Puta pobre)




FATO
Um dia um velho, nojento, com cheiro de podridão, queria muito meus beijos, e EU enojada, só queria ir embora dali, mas ele ainda tentou de todas as formas ser gentil, e tirou do bolso, um pedaço de chocolate, aí, eu me revoltei mais uma vez, e pensei entre deixa-lo sozinho, e ganhar uns parcos trocados, aguenta-lo, infelizmente, mas o que EU queria realmente, era um simples anel de DIAMANTE. Se não fosse, apenas de ouro já servia.

Um dia quase fiquei louca ao ver um carro de ouro, sim, não é mentira, era um carro de ouro que parou em Paris, era de um Sheik, e EU ENLOUQUECI, meu Deus, um carro de ouro, cruz credo, é muito dinheiro, e olha que vi o lançamento de um carro do Batman, que eu só tinha visto em desenho animado as portas de abriam para cima, e eu feito criança, dancei na rua de felicidade, é a EUROPA, aqui se vê de TUDO.

“Quando se pensa em luxo, alguns lugares do mundo vêm à mente: Paris, Milão e até mesmo Nova York. Mas, ainda dentro de cada uma dessas cidades, algumas ruas se destacam por serem as mais luxuosas do globo. 
Um estudo feito pela Cushman & Wakefield, chamado Main Street Across the World, revelou que a rua mais cara este ano é nenhuma outra senão a 5th Avenue, uma das mais famosas avenidas da Big Apple. 
Além de conter alguns dos nomes de maior reconhecimento da moda, a avenida também é marcada por abrigar os maiores milionários de Manhattan. O preço do metro quadrado? Nada menos que US$3.500,00. 
Curiosamente, a segunda posição fica com a Causeway Bay, em Hong Kong, com uma renda de US$2.399 por metro quadrado, bem acima dos US$1.372 cobrados em uma das ruas mais conhecidas do planeta, a Champs Elysées, em Paris. 
A lista com as dez primeiras posições do estudo você confere abaixo:
1.     5th Avenue, Nova York
2. Causeway Bay, Hong Kong
3. Champs Elysées, Paris
4. New Bond Street, Londres
5. Via Montenapoleone, Milão
6. Pitt Street Mall, Sydney
7. Bahnhofstrasse, Zurique
8. The Ginza, Tóquio
9. Myeongdong, Seul
10. Kohlmarkt, Viena”



          E o microfone repetiu seu nome para mais uma sessão de quimioterapia.

E na despedida, ELA, altiva, “arrogante”, disse entre um sorriso sarcástico: talvez seja um ADEUS
Amanhã talvez não estarei mais em uma outra sessão.

MAS, AMO A EUROPA. EUROPA É EUROPA.
Beijos, te cuida.




terça-feira, 30 de outubro de 2018

CONTOS DA NECA MACHADO- AMAZONIA (NO MUNDO)





CONTOS DA BEIRA DO RIO AMAZONAS
(NO MUNDO)




OS ENCANTOS DO POÇO DO MATO





A lata de manteiga bem ariada, é instrumento de trabalho de Nega Piedade, rebolando as cadeiras ela desce preguiçosa e com ares de princesa de ébano as ladeiras que circundam o entorno do POÇO DO MATO, cantarola sem letra uma canção indecifrável aos ouvidos dos mortais.



Ela retira com cuidado os cipós que atrapalham seu caminho e segue sorrateira como uma cobra a dar o bote. No lado esquerdo um pedaço de pano no ombro, puído pelo tempo e no braço direito a famosa lata de manteiga que serviria para levar o liquido precioso para os patrões degustarem após a ceia matinal e para ajudar nos afazeres domésticos.



Negra Piedade brilha na sua cor lustrada pelos raios dourados do sol que banham aquela manhã, e ela num misto de magia faz parte de uma aquarela. O POÇO DO MATO tornou-se inatingível, distante, e a negra no viço da idade não percebe, o canto do pássaro é sua companhia, e a caminhada é longa, ela levanta a blusa, mostra seus seios rijos ao sol e enxuga o suor da testa.

Ao abrir os olhos o POÇO DO MATO surge como por encanto a sua frente e suas águas jorram como faíscas prateadas lavando o céu.

Piedade é só alegria, suas companheiras não apareceram e ela agradece por não ter que dividir espaço com ninguém em busca da água. A negra furtiva e exausta da caminhada observa se alguém se aproxima, seu suor é forte nas entranhas, seu cabelo carapinha, e os calos nos pés são esquecidos por um momento e ela se entrega aos sonhos, sentada ao redor do POÇO DO MATO encantado, dos Campos do Laguinho.



O Moço branco de camisa engomada, perfume francês estende-lhe suas mãos, e Piedade não recusa seu convite, levanta assanhada, arruma os cabelos, ensaia seu sorriso mais branco, balança as cadeiras, empina os seios num frenesi e exclama: sou toda sua Sinhô!

O moço ergue-a do solo, levita com ela naquele cenário e Piedade emudece, os pássaros continuam a cantar, as arvores deslizam suavemente ao balançar do vento e a brisa que sopra não a desperta de seu sonho irreal.





O POÇO DO MATO é a única testemunha da Negra Piedade e cúmplice em seu prazer carnal. As horas são intermináveis e preocupam os seus patrões, seus conhecidos e os vizinhos da negra Piedade.



Escurece, a Rasga Mortalha solta seu grito ensurdecedor, o céu tem muitas estrelas, o vento é frio e o Poço do Mato assustador, negra Piedade não voltou, os moleques correm com lamparinas pelo mato, cachorros servem de companhia a procura de negra Piedade, e nem sinal dela. A noticia se espalhou, o seu sumiço é comentado em todas as esquinas, e em todos os bairros, a população que mora na Favela e no Elesbão ficam estarrecidos.



 As lavadeiras e as carregadeiras de água junto com as moças virgens são proibidas de irem ao Poço do Mato sozinhas.



Por que?



Negra Piedade foi ENCANTADA no Poço do Mato dos Campos do Laguinho.





“Olha sinhô,

Olha sinhô

No poço do Mato

Essa Negra se encantou...”












ARCAISMOS DO LAGUINHO

Laguinho é meu lugar...

Matéria publicada no caderno de cultura do Jornal Diário do Amapá em: 25 de fevereiro de 2003.





O Bairro do Laguinho é um recanto primoroso do Amapá, possui figuras expressivas no âmbito cultural, folclóricas, boemias, caricatas, anônimas, enfim...

O Laguinho se imortalizou por falar de poesia, sem o compromisso formal da escrita. No Laguinho encontramos o negro soberbo da sua cor, o poeta que cria trovas ao acaso, o boêmio que amanhece fora de casa, e ainda na rua interpreta poemas criados na noite anterior debruçado sobre uma cadeira de um bar qualquer.



Arcaísmos do Laguinho é a rebusca por palavras em desuso, antigas, antiquadas... Falar de um Pitisqueiro que guardava preciosidades em suas gavetas de puro mogno, e que o verniz não saiu com o tempo, é salutar para a memória, abicorar  passarinho no Poço do Mato, sem ser incomodado por horas a fio, quieto, calado, feito uma estatua, quase morto... Desmintir o pé numa pelada nos campos do Kouro e levar para a famosa puxadeira Maria Cunha, Sacaca, Crioulo Branco, ou outros famosos que davam jeito na rasgadura do pé com a rapidez de um mágico.



Ataia, ataia... Os caminhos sem demora para se chegar aos objetivos propostos, ir na retrete e deixar a porta aberta era mania de todo mundo, só fechavam a porta quando alguém aparecia de repente.

Alguém estava Cuira para saber das ultimas novidades que as fofocas espalhavam, tiriça curtida depois de um bom gole de açaí amassado pelas mãos da Tia Geralda, a canela de um moleque magro, intanguido, tuira de não tomar banho, ou quando tomava era pela metade...

A cabeça de prego que trazia doenças e ficava nas valas empossadas ao lado, era um perigo diziam as velhas amas.



Menino corre da frente dessa cintina, gritava a mãe de vez em quando, Eré, Eré para mandar embora os inconvenientes, rodilha quebra com facilidade, cuidado! Só como paçoca feita em mufari (pilão). O Laguinho será sempre um lugar de saudade, aconchego e muitos amigos...





 

domingo, 28 de outubro de 2018

"Além da Terra, além do céu" 20ª obra de Neca Machado na Europa

NECA MACHADO, 20 OBRAS NA EUROPA


NECA MACHADO NA “ANTOLOGIA DE POESIA BRASILEIRA CONTEMPORANEA 2018-LANÇAMENTO EM SÃO PAULO -06.10.2018- EDITORA LUSA – CHIADO”




NM

(Neca Machado)

BIOGRAFIA



Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 20 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, e 2018.  Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora em A Vida em Poesia 3- ano de 2018, coautora na obra Bilíngue inglês e português lançada em Zurique-2018 – Tributo ao Sertão, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)







Aconteceu em São Paulo no último dia 06 do corrente, o lançamento da MINHA 20ª obra coletiva de poemas na EUROPA, o livro vai ser lançado também em Portugal e distribuído pela Editora CHIADO, na Europa e África, onde possui filiais.



A antologia de poesia brasileira contemporânea da qual SOU CO AUTORA, integrou e selecionou 1200 (mil e duzentos) Poetas e Poetisas do Brasil. O lançamento foi em São Paulo no Teatro Gazeta em plena Avenida Paulista no coração da cidade mais cultural do Brasil, sendo um dos eventos mais importantes do ano de 2018 junto com a Bienal, e trouxe a São Paulo atores portugueses para lerem a poesia que encantou os presentes.

A ANTOLOGIA de poemas brasileiros contemporâneos “ ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CEU” foi uma seleção do CEO da Editora Chiado Gonçalo Martins que veio de Portugal para prestigiar o evento, além de interpretar poemas que emocionaram os presentes, a coordenação ficou sob a responsabilidade de Mayara Facchini e Vitória Scritori.

A coleção prazeres poéticos é composta de 03 tomos devido a grandiosidade da obra.

O encontro poético reuniu a sensibilidade de autores do Brasil todo que prestigiaram o evento em terras paulistas, indo realmente “além da Terra, além do céu.”


Eu NECA MACHADO com muita determinação, sai do estado do Amapá, extremo norte do Brasil, fronteira com a Guiana francesa, no meio do Mundo, literalmente, cortado pela linha do Equador, para ver uma obra da qual me orgulho imensamente e que agora soma ao meu acervo literário de 20 obras coletivas na EUROPA.

A poesia flui na alma,

A poesia inebria quando amamos o que produzimos,

A poesia integra e irmana,

A poesia se confunde entre mares,

A poesia ecoa salivares

Escritos com emoção.

SOU POETISA, SIM!

Escolhi escrever emoção,

Escolhi traduzir sentimentos em sonetos

Embebidos de paixão.

Cheios de coragem,

Sem medos

Sem lamentos

Sem esmolas.

E pela POESIA, me entrego,

Faço pontes entre Continentes.

E com a alma embebida da magia da Floresta,

Onde sou fruto, e essência nativa.

Cultivo minha emoção,

E perpetuo nas linhas

Minha aquarela poética.


sábado, 27 de outubro de 2018

"A VIDA EM POESIA 3 " - 18ª OBRA DE NECA MACHADO NA EUROPA

NO MEIO DO MUNDO (AMAPÁ) "A VIDA EM POESIA 3- 18ª OBRA DE NECA MACHADO




“A VIDA EM POESIA 3”- 18ª OBRA DE NECA MACHADO-PT”



NM

(Neca Machado)

BIOGRAFIA




Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 20 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, e 2018.  Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora em A Vida em Poesia 3- ano de 2018, coautora na obra Bilíngue inglês e português lançada em Zurique-2018 – Tributo ao Sertão, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)








Já está no Meio do Mundo (Amapá) a obra coletiva de Poemas “A Vida em Poesia 3”.



A Antologia de Poetas lusófonos, reúne em seu bojo uma coleção preciosa de pura emoção literária, de vários países, dentre eles: Brasil (Neca Machado) Espanha e Portugal. A obra lançada em 14 de setembro em Lisboa (2018), é composta da produção literária de 92 autores, com 163 páginas, sob a responsabilidade da Editora Helvetia.



Neca Machado caminha sobre o Rio Amazonas.




O maior rio de agua doce do planeta, e traduz em rimas sonorizadas de emoção um passeio de barco onde suas mãos tocam as águas barrentas do Amazonas, como se fossem pés. Abre uma janela imaginaria sobre o horizonte e se ergue altiva como as palmeiras de açaizeiros quase tocando as nuvens, e brinca no espelho d’água que se integra ao céu. “Minha poesia traduz minha alma cabocla, cheia de magia e encantos da floresta, me banho de ervas, escuto o cantar de pássaros nativos, recebo bênçãos de deuses tucujus...”

Sendo libertaria de sua emoção.








HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.





HOJE! (   )



EU abri minha janela para o Rio,

E cheguei na linha do horizonte.



Vim ver pássaros nativos bailando sobre açaizeiros,

Vim brincar com as nuvens que se unem a Maré.

E se confundem.

Vim sentir a nevoa das aguas barrentas do maior rio de agua doce do mundo,



O Rio Amazonas,



Batendo em meu rosto afro,

E sorri de satisfação.



Hoje EU...



 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.

Sem pressa, sem medo, sem RUMO...





HOJE vim caminhar, sobre o arco íris da Amazônia, multicor...

Vim escutar sinfonias de pássaros,

Vim me embrenhar sobre caminhos dentro do Rio.



Parei em ilhas verdejantes, subi em catraias e rabetas....

Assoviei para seres inimagináveis, e

Pedi a benção da Mãe d’água,

Escutei ao longe o canto do Uirapuru,

Sim! Era ele sim,

Veio me saudar.



Vi Iara, Matinta Pereira...

Vi ao longe um Boto...

E ele se transportou até minha janela sobre o Rio.



Mas, para que? Quero pés, se tenho asas? (Frida Kalo)



E com elas me embrenhei de novo na mata.



Catei um fruto de Cupuaçu, polpudo, comi sem pressa,

Achei Taperebás, não tinham bichos,

Amei a cor de cobre dos Buritis

Que teimavam em navegar nas aguas barrentas deste Rio...

E descobri no meio das Aningueiras, a temida Cobra Verde...



E de novo coloquei minhas asas e fui para as copas dos açaizeiros

Nem precisei de Peconha.

E a cor viva roxa dos açaís na minha boca.

E o purpura da emoção no meu coração, sem TI....




HOJE,



 Há,

hoje, remei contra a Maré do Rio Amazonas...

E ELE (Rio) tão calmo, nem se irritou com minha presença.

Me cobriu de orvalho serenado de poesias caboclas...



E EU só queria abrir uma nova janela para o infinito...(TOM)



E Vim caminhar SOLITÁRIA sobre este manto do pulmão do mundo.



Hoje EU...



 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.

E perpetuar minha lembrança.

Mas, não morrerei de saudade.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

SANTO CAPI


CAPIBERIBE “QUASE” SANTO AOS 71 ANOS DE IDADE





Seria cômico, se não fosse trágico.



Aos 71 anos de idade (*06.05.1947) o atual Senador do Amapá que lidera nas pesquisas para governador do estado, eleição de 2018- 2º turno, foi atração principal no último debate das eleições 2018, ocorrido na noite de 25 do corrente.

CAPIBERIBE QUASE SANTO.

Não alterou a voz, demonstrou equilíbrio no alto de seus 71 anos, ar descontraído, SERENO para muitos, para outros talvez um “Lobo em pele de Cordeiro”, SEI LÁ.

Capiberibe quase se torna SANTO.

IRRITOU o atual governador, que era visível seu nervosismo.

E o paradoxo um ex assessor de CAPI, assessorava o atual (  )

Competência demais?

E nas ruas o povo falava da tal serenidade de CAPI.

TALVEZ SE TORNE SANTO, É MORTAL.



Mas que parecia, um SANTO, parecia, só faltava fazer MILAGRES.

Esperar para ver na noite de domingo, 28.10.

 

MORRE UM PIONEIRO DO AMAPÁ- MESTRE ARIM +25.10.2018-95 ANOS

ELEIÇÕES 2018 - DEBATE AMAPÁ-(25.10.2018) - SANTOS, MILAGRES E PROMESSAS

ELEIÇÕES 2018 - DEBATE AMAPÁ-25.10.2018- SANTOS, MILAGRES E PROMESSAS

ELEIÇÕES 2018 - DEBATE AMAPÁ-25.10.2018- SANTOS, MILAGRES E PROMESSAS

ELEIÇÃO 2018- DEBATE AMAPÁ- SANTOS, E PROMESSAS

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

MORRE UM PIONEIRO DO AMAPÁ- MESTRE ARIM DO LAGUINHO

A VIDA EM POESIA 3- LISBOA 2018


“A VIDA EM POESIA 3”- 18ª OBRA DE NECA MACHADO-PT”




NM

(Neca Machado)

BIOGRAFIA



Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas por 11 Países (Europa, Oceania, América do Sul) 2016, classificada  em 2016  na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, de novo em 2017. Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 20 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, e 2018.  Autora independente da Obra Mitos e Lendas da Amazônia, Estórias da Beira do Rio Amazonas, publicada em 02 edições em Portugal em 2017, edição limitada, Coautora na obra lusa, lançada em Lisboa em 09.09.2017, A Vida em Poesia 2, coautora em A Vida em Poesia 3- ano de 2018, coautora na obra Bilíngue inglês e português lançada em Zurique-2018 – Tributo ao Sertão, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)











Já está no Meio do Mundo (Amapá) a obra coletiva de Poemas “A Vida em Poesia 3”.




A Antologia de Poetas lusófonos, reúne em seu bojo uma coleção preciosa de pura emoção literária, de vários países, dentre eles: Brasil (Neca Machado) Espanha e Portugal. A obra lançada em 14 de setembro em Lisboa (2018), é composta da produção literária de 92 autores, com 163 páginas, sob a responsabilidade da Editora Helvetia.



Neca Machado caminha sobre o Rio Amazonas.



O maior rio de agua doce do planeta, e traduz em rimas sonorizadas de emoção um passeio de barco onde suas mãos tocam as águas barrentas do Amazonas, como se fossem pés. Abre uma janela imaginaria sobre o horizonte e se ergue altiva como as palmeiras de açaizeiros quase tocando as nuvens, e brinca no espelho d’água que se integra ao céu. “Minha poesia traduz minha alma cabocla, cheia de magia e encantos da floresta, me banho de ervas, escuto o cantar de pássaros nativos, recebo bênçãos de deuses tucujus...”

Sendo libertaria de sua emoção.








HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.





HOJE! (   )



EU abri minha janela para o Rio,

E cheguei na linha do horizonte.



Vim ver pássaros nativos bailando sobre açaizeiros,

Vim brincar com as nuvens que se unem a Maré.

E se confundem.

Vim sentir a nevoa das aguas barrentas do maior rio de agua doce do mundo,



O Rio Amazonas,



Batendo em meu rosto afro,

E sorri de satisfação.



Hoje EU...



 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.

Sem pressa, sem medo, sem RUMO...





HOJE vim caminhar, sobre o arco íris da Amazônia, multicor...

Vim escutar sinfonias de pássaros,

Vim me embrenhar sobre caminhos dentro do Rio.



Parei em ilhas verdejantes, subi em catraias e rabetas....

Assoviei para seres inimagináveis, e

Pedi a benção da Mãe d’água,

Escutei ao longe o canto do Uirapuru,

Sim! Era ele sim,

Veio me saudar.



Vi Iara, Matinta Pereira...

Vi ao longe um Boto...

E ele se transportou até minha janela sobre o Rio.



Mas, para que? Quero pés, se tenho asas? (Frida Kalo)



E com elas me embrenhei de novo na mata.



Catei um fruto de Cupuaçu, polpudo, comi sem pressa,

Achei Taperebás, não tinham bichos,

Amei a cor de cobre dos Buritis

Que teimavam em navegar nas aguas barrentas deste Rio...

E descobri no meio das Aningueiras, a temida Cobra Verde...



E de novo coloquei minhas asas e fui para as copas dos açaizeiros

Nem precisei de Peconha.

E a cor viva roxa dos açaís na minha boca.

E o purpura da emoção no meu coração, sem TI....



HOJE,



 Há,

hoje, remei contra a Maré do Rio Amazonas...

E ELE (Rio) tão calmo, nem se irritou com minha presença.

Me cobriu de orvalho serenado de poesias caboclas...



E EU só queria abrir uma nova janela para o infinito...(TOM)



E Vim caminhar SOLITÁRIA sobre este manto do pulmão do mundo.







Hoje EU...



 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.

E perpetuar minha lembrança.

Mas, não morrerei de saudade.