rio

rio

segunda-feira, 30 de abril de 2018

PUTAS VELHAS TEM MUITAS LEMBRANÇAS.....

LEMBRANÇAS AMARGAS

MEMORIAS DE PUTAS VELHAS


LIVRO DIGITAL
CRONICAS DA NECA MACHADO
“MEMORIAS DE PUTAS VELHAS-LEMBRANÇAS AMARGAS”

(... NEM PRA PUTA TÚ PRESTA!)
PESQUISAS.

BIOGRAFIA

Neca Machado (Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 16 obras lançadas em Portugal em 2016, 2017, e uma em Genebra em 2018, em edição bilíngue português e inglês, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Foto-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)




          Quando ELA (   ) chegou na “currutela” do recém inaugurado garimpo lá para as bandas do Lourenço, a notícia se espalhou feito febre, era uma nova presa levada por uma cafetina que tinha vindo do nordeste, e feito fama entre as novatas a pretendentes a esposa de garimpeiro “bamburrado” diziam que dava sorte.

Contaram tanta mentira, que parecia a terceira guerra mundial.

Uns diziam que ela era um Anjo,

Outros que: Ela era um demônio vestido de Anjo,
E ainda outros correndo por fora, diziam que seriam os primeiros, e que precisariam trabalhar muito, porque a notícia era que o preço era a base de muito ouro, linda e virgem, iam fazer leilão.

Boca Rica sorria agitado.


Quando ganhou seu primeiro dinheiro com a venda de algumas gramas que achou numa bateia velha, se animou.
Prometeu que pegaria mil malárias, mas, jamais desistiria do sonho de ser um milionário.
Sem dentes, alguns ainda resistiam a muita carne dura com farinha baguda,assim que começou a ganhar mais, e a descobrir veios mais potentes de ouro, ele logo procurou alguém para mudar sua aparência, e não é que conseguiu; virou o Boca Rica, mandou botar numa dentadura, dentes de puro ouro, e gostava de rir para aparecer diziam as putas mais velhas, e tinha a preferência.
E ELA foi ficando por lá, os anos se passando, puteiros gritavam um ao lado do outro, uma mais espelunca do que o outro, camas velhas, suadas de homens sujos, cheios de inhaca forte, uns velhos da lida, outros sem nenhuma higiene, ela teve que aturar muito homem sem dente, querendo ser gentil, combafo forte, e ainda tinha os cachaceiros, cruz credo.
E as doenças?
Teve centenas, que nem sabe o nome, só sabe que tinha esquentamento.
Quando estava com baixa imunidade apareciam umas piras do lado da boca,ELA dizia que era sapinho.
Coitada (nem sabe e nem conhecia Herpes)

Foi quando num certo dia, cansada de não ter feito um pé de meia.
Começou uma briga com uma novata, por causa de um cliente que preferiu a outra, que lhe empurrou, e ELA caiu, machucou a perna e gritou todo tipo de palavrão, só não chamou de Santa a Puta nova.
Com a roupa rasgada, maltrapilha, dentes podres, o cabelo devia ter centenas de piolhos, a perna só celulite, cabelos que antes eram de seda, agora: só o resto, o peito caído, ...

A Puta Nova gritou:

NEM PRA PUTA TU PRESTA! VAGABUNDA

(ATÉ PRA SER PUTA, TEM QUE TER COMPETÊNCIA)
VAI LIMPAR CHÃO.


CABOCLO É UM FORTE....(Neca Machado)


O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE



SOU UMA AMAZÔNIDA!

HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.
(Fiz desse RIO a minha Rua rumo ao Horizonte...)



Neca Machado
(Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, e de novo em 2017 Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 16 obras lançadas em Portugal em 2016 e 2017, coautora da obra lusa lançada em Lisboa, A Vida em Poesia II, e 01 lançada em Genebra-Suíça em português e inglês em 28.04.2018, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)







O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE

O VERDADEIRO CABOCLO DA AMAZONIA ´´E “UM FORTE”

Ele se embrenha em noite de Lua cheia no rio revolto,
E faz deste Rio (Amazonas) sua RUA.
Enfrentando num combate desigual a força da natureza nortista, e sobrevive.
Que, em dias de inverno, chove torrencialmente tempestades,
Fazendo da Maré, um duelo.
E em dias de calor
Ele curte a pele como num deserto.
Deixando em seu rosto as marcas do Sol implacável.



O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE

O VERDADEIRO CABOCLO DA AMAZONIA ´´E “UM FORTE”

Balança em Açaizeiros, linhas...
Sim, são como linhas de rabiolas no céu de tão finos,
Que nunca se dobram ao vento,
Feito combate de cerol em época de Papagaio...
E quando tocam a Terra,
Ainda são mordidos por Jararacas...
E sobrevivem.
Para presentearem com um manjar dos deuses da floresta, turistas
Que nunca tomaram o AÇAÍ.


O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE

O VERDADEIRO CABOCLO DA AMAZONIA ´´E “UM FORTE


Extrai da Terra um dos mais exóticos e especial sabor do âmago
O TUCUPI, que mesmo com todo ácido contido em sua essência,
Embriaga, verdadeiramente embriaga quem descobre o TACACÁ,
E inebriado ainda sonha anestesiado pelo treme-treme do Jambu.


O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE

O VERDADEIRO CABOCLO DA AMAZONIA ´´E “UM FORTE

Mesmo com o Pixé de PITIÚ
Ele é responsável por um dos mais importantes fixadores de perfumes do MUNDO.
O PITIU DO TAMUATÁ.


O CABOCLO DA AMAZONIA É UM FORTE

O VERDADEIRO CABOCLO DA AMAZONIA ´´E “UM FORTE


Se banha com ervas
Gosta da magia e o encanto dos deuses da floresta,
É saliente,
Abicora,
Espreita...
É superior aos DOUTORES com seus conhecimentos empíricos.
Se cura sozinho.

E se orgulha de ter em seu solo
Os sabores, MELHORES DO MUNDO.





















AMAZONIDA COM ORGULHO


SOU UMA AMAZÔNIDA!


Neca Machado
(Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 15 obras lançadas em Portugal em 2016, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)





NECA MACHADO


Ao nascer no norte do Brasil, na fronteira com a Guiana francesa ao sabor do vento do maior rio de água doce do mundo, o Amazonas, me considero UMA AMAZÔNIDA em sua plenitude.



Minha terra também tem Palmeiras, parodiando o poeta nacional, e pelo seu solo pátrio os pássaros que aqui gorjeiam também são cantadores. Por minhas entranhas os senhores da floresta abençoaram-me com suas ervas miraculosas e num magnífico cenário desta paisagem singular, me fortaleço continuamente fazendo com que meu sangue nativo circule com a força de meus ancestrais indígenas e africanos.



SOU UMA AMAZÔNIDA!


Por cultivar minha origem
Por amar minha raiz
Por debruçar-me sobre este solo,
Com a força motriz.
De quem sabe de sua historia
De quem ama o seu País.



SOU UMA AMAZÔNIDA!

Sentada nas embarcações
Caminhando sobre bolsões...
Cultivando o meu solo
Preservando minha fonte,
Sou deste solo errante
Como o maestro lapidante,
Que nas águas barrentas
Deste torrão tucuju
Descobre seu diamante.



SOU UMA AMAZÔNIDA!



De vagidos cristalinos
De soberbo coração,
Que navego andarilha
Pelos campos altaneiros,
Deste solo trigueiro
Fincado no meio do mundo,
Abençoado e profundo.






SOU UMA AMAZÔNIDA!


Nascida na maior Floresta
Sentindo o vento na testa
Fazendo de minha aquarela,
Uma verdadeira festa.
Pedindo sempre a benção
De meus deuses e padroeiros,
Para que nunca pereça.
Em momentos traiçoeiros.



SOU UMA AMAZÔNIDA!

Voando em asas imaginarias
Como uma Fênix nortista
Que nunca perde de vista,
O chão de sua raiz.
Posso caminhar tão longe
Que sempre volto faceira,
Para minha terra altaneira
No Norte deste País.



SOU UMA AMAZÔNIDA!

Que desce nossas ladeiras,
Que se extasia por inteira,
Com as manifestações
Que varam noites a fio
Neste recanto sutil,
Onde o som do Batuque
Penetra na carne
Cortando em golpes certeiros
Lembranças de meus pioneiros.
No vai e vem do equinócio.
Como animais no CIO.



SOU UMA AMAZÔNIDA!



Banhada com água benta
Apaixonada por pimenta
Que se embrenha nas matas
Cortando nossos afluentes,
Como a lamina luzente
De um viageiro andante
Debruçado sobre sabores
Desta terra singular
Onde cheiros e paladares
São divinos manjares
De Deuses do além mar.




SOU UMA AMAZÔNIDA!



De pés na areia
Na lama
Na chuva,
Na maré.
Na calçada,
Na verdejante floresta,
Desta terra abençoada,
Por uma linha imaginaria cortada
Na beira de um Igarapé.












SOU UMA AMAZÔNIDA!





HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.
(Fiz desse RIO a minha Rua rumo ao Horizonte...)



Neca Machado
(Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, e de novo em 2017 Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 16 obras lançadas em Portugal em 2016 e 2017, coautora da obra lusa lançada em Lisboa, A Vida em Poesia II, e 01 lançada em Genebra-Suíça em português e inglês em 28.04.2018, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)





HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.


HOJE! (   )

EU abri minha janela para o Rio,
E cheguei na linha do horizonte.

Vim ver pássaros nativos bailando sobre açaizeiros,
Vim brincar com as nuvens que se unem a Maré.
E se confundem.
Vim sentir a nevoa das aguas barrentas do maior rio de agua doce do mundo,

O Rio Amazonas,

Batendo em meu rosto afro,
E sorri de satisfação.

Hoje EU...

 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.
Sem pressa, sem medo, sem RUMO...


HOJE vim caminhar, sobre o arco íris da Amazônia, multicor...
Vim escutar sinfonias de pássaros,
Vim me embrenhar sobre caminhos dentro do Rio.

Parei em ilhas verdejantes, subi em catraias e rabetas....
Assoviei para seres inimagináveis, e
Pedi a benção da Mãe d’água,
Escutei ao longe o canto do Uirapuru,
Sim! Era ele sim,
Veio me saudar.

Vi Iara, Matinta Pereira...
Vi ao longe um Boto...
E ele se transportou até minha janela sobre o Rio.

Mas, para que? Quero pés, se tenho asas? (Frida Kalo)

E com elas me embrenhei de novo na mata.

Catei um fruto de Cupuaçu, polpudo, comi sem pressa,
Achei Taperebás, não tinham bichos,
Amei a cor de cobre dos Buritis
Que teimavam em navegar nas aguas barrentas deste Rio...
E descobri no meio das Aningueiras, a temida Cobra Verde...

E de novo coloquei minhas asas e fui para as copas dos açaizeiros
Nem precisei de Peconha.
E a cor viva roxa dos açaís na minha boca.
E o purpura da emoção no meu coração, sem TI....

HOJE,

 Há,
hoje, remei contra a Maré do Rio Amazonas...
E ELE (Rio) tão calmo, nem se irritou com minha presença.
Me cobriu de orvalho serenado de poesias caboclas...


E EU só queria abrir uma nova janela para o infinito...(TOM)

E Vim caminhar SOLITÁRIA sobre este manto do pulmão do mundo.



Hoje EU...

 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.
E perpetuar minha lembrança.
Mas, não morrerei de saudade.




EU (NECA MACHADO) CAMINHEI SOBRE O RIO AMAZONAS


SOU UMA AMAZÔNIDA!



HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.
(Fiz desse RIO a minha Rua rumo ao Horizonte...)



Neca Machado
(Ativista Cultural, altruísta que preserva os sabores e saberes da Amazônia, através dos Mitos e Lendas da Beira do Rio Amazonas no extremo norte do Brasil, é, Administradora Geral, Artista Plástica, Bacharel em Direito Ambiental, Especialista em Educação Profissional, Escritora de Mitos da Amazônia, fotografa com mais de 100 mil fotografias diversas, premiada em 2016 com classificação na obra brasileira “Cidades em tons de Cinza”, de novo em 2017, Concurso Urbs,  classificada com publicação de um poema na obra Nacional, “Sarau Brasil”, Novos Poetas de 2016, e de novo em 2017 Pesquisadora da Cultura Tucuju, Contista, Cronista, Poetisa, Coautora em 16 obras lançadas em Portugal em 2016 e 2017, coautora da obra lusa lançada em Lisboa, A Vida em Poesia II, e 01 lançada em Genebra-Suíça em português e inglês em 28.04.2018, Licenciada Plena em Pedagogia, Gastro-Jornalista, Blogueira com 25 blogs na web, 21 no Brasil e 04 em Portugal, Quituteira e designer em crochê.)

 WWW.AMAZONIASEMFRONEITRA










HOJE! EU VIM CAMINHAR SOBRE O RIO AMAZONAS.



HOJE! (   )

EU abri minha janela para o Rio,
E cheguei na linha do horizonte.

Vim ver pássaros nativos bailando sobre açaizeiros,
Vim brincar com as nuvens que se unem a Maré.
E se confundem.
Vim sentir a nevoa das aguas barrentas do maior rio de agua doce do mundo,


O Rio Amazonas,

Batendo em meu rosto afro,
E sorri de satisfação.

Hoje EU...




 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.
Sem pressa, sem medo, sem RUMO...





HOJE vim caminhar, sobre o arco íris da Amazônia, multicor...
Vim escutar sinfonias de pássaros,
Vim me embrenhar sobre caminhos dentro do Rio.

Parei em ilhas verdejantes, subi em catraias e rabetas....
Assoviei para seres inimagináveis, e
Pedi a benção da Mãe d’água,
Escutei ao longe o canto do Uirapuru,
Sim! Era ele sim,
Veio me saudar.



Vi Iara, Matinta Pereira...
Vi ao longe um Boto...
E ele se transportou até minha janela sobre o Rio.

Mas, para que? Quero pés, se tenho asas? (Frida Kalo)

E com elas me embrenhei de novo na mata.




Catei um fruto de Cupuaçu, polpudo, comi sem pressa,
Achei Taperebás, não tinham bichos,
Amei a cor de cobre dos Buritis
Que teimavam em navegar nas aguas barrentas deste Rio...
E descobri no meio das Aningueiras, a temida Cobra Verde...

E de novo coloquei minhas asas e fui para as copas dos açaizeiros
Nem precisei de Peconha.
E a cor viva roxa dos açaís na minha boca.
E o purpura da emoção no meu coração, sem TI....


HOJE,

 Há,
hoje, remei contra a Maré do Rio Amazonas...


E ELE (Rio) tão calmo, nem se irritou com minha presença.
Me cobriu de orvalho serenado de poesias caboclas...

E EU só queria abrir uma nova janela para o infinito...(TOM)

E Vim caminhar SOLITÁRIA sobre este manto do pulmão do mundo.




Hoje EU...

 Só quero a liberdade de caminhar sobre a AMAZONIA.


E perpetuar minha lembrança.
Mas, não morrerei de saudade.